quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

18 anos pintando alegria!

“A Timbalada está fazendo 18 anos, mas o início foi cinco anos antes com o grupo Vai Quem Vem.” relata Carlinhos Brown, fundador da Timbalada, ao jornalista Ivan Dias Marques do Correio*. Foi no início dos anos 90 que Brown decidiu reunir, no bairro de Brotas, mais exatamente no Candeal Pequeno, em Salvador, pouco mais de quatrocentos músicos, alunos de uma grande escola ao ar livre. A intenção era apenas aperfeiçoar os integrantes e deixar as crianças longe da marginalização.

Carlinhos Brown utilizou latas, baldes, tampas de panelas e timbaus, estes usados como base rítmica para criar a Timbalada, há muito tempo estavam restritos à percussão dos terreiros de Candomblé. Os seus pracatuns a diferem das outras bandas baianas e são recheados de idéias, ritmos, poesia, miscigenação e música popular brasileira.

Logo, a Timbalada ganhou admiradores ilustres. Em 92 foi convidada para gravar, com o músico Sérgio Mendes, o disco "Brasileiro" que lhe rendeu o Grammy. Um ano depois a banda entra em estúdio e grava seu primeiro disco, homônimo, e logo de cara se impõe pela capa que retrata os seios pintados de uma mulher negra. Nesse disco, a música Beija Flor, na voz de Xexéu, ganhou as rádios da capital baiana e se consagrou como o primeiro sucesso dos timbaleiros.

Muitas foram as mãos que construíram o sucesso que a Timbalada tem hoje. Dois grandes mestres, Fia Luna e Pintado do Bongô, imprimiram suas marcas nessa história. “... ser um mestre não significa que se sabe tudo. Ao contrário, também aprendi com eles que ser um mestre é ter a capacidade e atenção de desenvolver a aprendizagem nas outras pessoas, mas também de continuar aprendendo.” diz Brown ao jornalista.

Além de formar inúmeros músicos, que hoje são reconhecidos internacionalmente por tocarem com grandes nomes do cenário musical brasileiro, a Timbalada possibilitou o surgimento de inigualáveis vozes na música baiana. A mais marcante foi a de Ninha, tido por Braown como "Gogó de Ouro", que deixou a banda em 2006 para formar com outros ex-timbaleiros, Xexéu e Patrícia Gomes, a Tribahia. Mas por lá só ficou durante um ano. Já em 2007, ele criou e assumiu o vocal da Trem de Pouso. Alexandre Guedes é outro timbaleiro que deixou a banda do Candeal para dividir os vocias da Baianada com mais dois cantores, e hoje comanda a Motumbá. Augusto Conceição, Juju Gomes e Akira Takakura também são ex-vocalistas da Timbalada. Em 2007 foi a vez da cantora Amanda Santigo deixar a banda e seguir carreira solo. Restando assim apenas um vocalista na Timbalada, que já chegou a ter oito num mesmo palco. “... talvez a minha única decepção seja a de não ter tido talento suficiente para compreender as metas alheias para manter todas as pessoas que eu queria que estivessem por perto até hoje. Mas não tenho do que reclamar, não. Só tenho a agradecer a todos que passaram por aqui durante todo esse tempo e comemorar por essa maioridade.” desabafa o cacique, respondendo a pergunta do jornalista sobre o assunto.

Ao visitar um projeto social na cidade de Camaçari/Ba, Carlinhos Brown, além de conhecer o trabalho musical desenvolvido lá, conheceu e convidou um garoto de apenas 13 anos de idade para o ensaio da Timbalada, no Candeal. Na semana seguinte, Denny, caçula de uma família de artistas, foi ao ensaio, vestiu a camisa da Timbalada e não a deixou mais. Cantor com muita energia, capoeirista desde a infância, Denny tem uma voz privilegiada e que cativa o público de todo o Brasil e do exterior, por onde a banda já se apresentou. Com a Timbalada teve a oportunidade de se apresentar para multidões na Europa, Japão e Estados Unidos. Vem recebendo elogios de críticos e de vários ícones do show bizz como Caetano Veloso, Marisa Monte, Bell Marques, Ivete Sangalo, entre outros.

A discografia da Timbalada é composta por 12 álbuns: "Timbalada", "Cada Cabeça é Um Mundo", "Andei Road", "Mineral", "Mãe de Samba", "Vamos Dar a Volta no Guetho (ao vivo)", "Pense Minha Cor", "Timbalismo", "Motumbá Bless", "Serviço de Animação Popular", "Alegria Original" e o recém lançado "Timbalada Ao Vivo" gravado em 2007, na capital maranhense, São Luis, que originou o primeiro DVD da banda.

Esses CD e DVD reúnem os seus maiores sucessos como Mimar Você, Ashansú, Meia Hora, Cachaça, Minha História, Camisinha, Água Mineral, Toneladas de Desejo, A Latinha, entre outras, na voz de Denny e ao som Timbalada.

Presença confirmada nas melhores micaretas e festivais realizados pelo país e até pelo mundo, a Timbalada faz do Carnaval da Bahia sua maior vitrine desde 94, quando realizou seu primeiro arrastão pelas ruas da cidade de Salvador, durante os dias da folia de Momo. O sucesso foi tão grande que em 95 o Bloco Timbalada estreou no circuito Barra-Ondina ganhando três troféus Bahia Folia, seguidos de melhor bloco alternativo em 96.

Ainda em 94 o Candeal fica pequeno e os timbaleiros fazem ensaios na Mansão Fonte do Boi, no Rio Vermelho. Mas em 96, a Timbalada retorna ao Candeal, pois Carlinhos Brown inaugura o Candyall Guetho Square, a casa da Timbalada. Os ensaios de verão tornam-se muito concorridos, as celebridades começam a dar as caras e a banda ganha o país.

Chegando à maioridade em 2009, a Timbalada continua criando e experimentando ritmos contagiantes para alegrar seus fies seguidores. A banda realizou seus ensaios de verão no Museu Du Ritmo e antes do carnaval traz a Salvador um novo conceito de evento: o Timba Beats, que mistura música eletrônica e timbaus.

Vida longa a Tim-Ba-La-Da!

Um comentário:

Carlos Lopes disse...

Sou fã do trabalho de vocês, fui professor comunitário (coordenador) no projeto Mais Educação do Governo Federal, juntamente com o Colégio Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes no Arraial D'Ajuda e tinha uma oficina de percussão das 4 que oferecia o projeto, conseguimos unir a bandinha de percussão que montamos com alguns alunos que tocavam instrumentos como: guitarra, violão , baixo e a percussão junto, foi muito bom mesmo.